fbpx

Síndrome do X-FRÁGIL e a infertilidade

Os portadores da síndrome do X- frágil não são devidamente assistidos pelos profissionais da saúde e os impactos podem ser diversos, incluindo a infertilidade precoce.

E o que é a síndrome do X FRÁGIL?

A SXF é uma condição genética, determinada pela mutação do gene FMR1 (Fragile Mental Retardation 1) localizado no cromossomo X, que pode causar alguns problemas de desenvolvimento, comportamento, dificuldades de aprendizagem, problemas emocionais e comprometimento cognitivo.

Depois da Síndrome de Down, o X Frágil é a causa hereditária mais comum de deficiência intelectual.

O diagnóstico é feito por teste de DNA. A SXF apresenta sintomas e sinais muito variados e que não são obrigatórios, o que dificulta a definição do quadro clínico de pessoas acometidas pela síndrome.

Pode ocorrer em homens e mulheres e os primeiros sintomas surgem, na maioria das vezes, entre os 18 meses de vida e os 3 anos de idade, se manifestando, geralmente, de forma mais severa nos homens (uma vez que a mulher tem dois cromossomos X e o homem tem apenas um X e outro Y).

Existem alguns traços físicos típicos nas pessoas com a síndrome: face alongada e estreita, orelhas largas, mandíbula e testa proeminentes, palato alto, pés planos, dedos e articulações extremamente flexíveis, estrabismo, entre outros sinais menos frequentes.

Há uma grande semelhança com os sintomas e sinais da condição do espectro do autismo e TDAH, dificultando assim o diagnóstico correto sem o exame de DNA, pois muitas vezes essas aparecem juntas.

Aproximadamente 60% das pessoas que tem a SXF também são autistas. E, de 2 a 5% das pessoas com autismo, tem a SXF.

Por que tornei pública a minha história?

Aos 33 anos fui diagnosticada com a pré-mutação de uma síndrome chamada X Frágil (ou Síndrome de Martin-Bell, conhecida pelas siglas SXF ou FXS).

Durante 4 anos eu falava sobre o assunto para poucas pessoas, internamente ainda não havia processado o diagnóstico.

A falta de informação a respeito da síndrome é angustiante, mas ao mesmo tempo foi o que me motivou a falar sobre o assunto.

Estava cansada de ir a médicos e nenhum saber a respeito quando eu mencionava o diagnóstico.

O material de pesquisa ainda é muito escasso e as informações não são precisas na maioria das vezes, especialmente em português.

Os portadores da síndrome (pré-mutação ou completa) não são devidamente assistidos pelos profissionais da saúde e os impactos podem ser diversos, é preciso tomar muitas precauções.

A pré-mutação é quando uma pessoa tem de 55 a 200 repetições de CGG (citosina, guanina, guanina) na primeira parte do gene FMR1 (Fragile Mental Retardation 1), localizado no cromossomo X.

É bastante comum a pré-mutação em mulheres, 1 a cada 250 possuem a pré-mutação. E um pouco menos para os homens, onde 1 a cada 400 possuem a pré-mutação.

Já a mutação completa, ou full mutation em inglês, é aproximadamente um caso para 4.000.

Na pré-mutação, que é o meu caso, podem ocorrer diversos problemas como: Insuficiência ovariana primária associada ao X Frágil (FXPOI), Síndrome de tremor / ataxia (FXTAS) e transtornos neuropsiquiátricos associados ao X Frágil (FXAND), que incluem depressão, ansiedade, TDAH, TEA, TOC, fadiga e dor crônica.

O que mudou após expor que tenho a sindrome X-fragil?

Em Junho desse ano (2020) divulguei abertamente sobre a síndrome nas redes sociais após ser questionada sobre um post que fiz de infertilidade.

Quando contei minha história, o feedback foi bastante positivo e senti que precisava expor, percebi que existe um tabu a respeito do assunto e, por trás dele, uma imensidão de mulheres carregando o fardo de suas angústias, dores, pensamentos, ansiedade e questionamentos.

Compreendi que expor minha vulnerabilidade, apesar de difícil, poderia ajudar muitas pessoas, e que esse seria meu legado.

E como venho ajudando outras pessoas?

Infelizmente, a maioria das pessoas só descobre a síndrome (isso é, se descobrem), quando não conseguem engravidar naturalmente após muitas tentativas ou, em alguns casos, quando seus filhos são diagnosticados com autismo, TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade), Síndrome de Asperger e/ou portadores da SXF.

O objetivo é divulgar a síndrome, ainda pouco conhecida, porém bastante relevante, para tornar o diagnóstico comum, possibilitando os devidos tratamentos e prevenir, de forma a minimizar a continuidade do X Frágil nas próximas gerações.

O gene que transmite a SXF passa silenciosamente por muitas gerações sem ser notado por diversas famílias.

Tenho conversado com muitas pessoas que têm filhos autistas e/ou com a síndrome e desejam engravidar novamente, venho alertando sobre a importância de investigar antes o X Frágil na família.

Também tenho ressaltado sobre a importância das mulheres acompanharem a reserva ovariana (exames ginecológico AMH ou Antimülleriano), para possível congelamento de óvulos, se necessário e viável financeiramente, visando assim a análise da SXF no embrião nos processos de FIV (fertilização in vitro).

Como foi meu processo de congelamento dos óvulos?

Após o diagnóstico da síndrome, em 2016, fui orientada a congelar, imediatamente, os meus óvulos para resguardar a minha fertilidade.

Ainda estava com uma idade “boa” e o médico afirmou que eu não teria mais de 6 meses para engravidar, o que não era meus planos naquele momento.

A síndrome pode causar a infertilidade precoce. Fiz dois ciclos de indução hormonal conforme orientação do meu médico, Dr. Edson Borges Jr. do grupo Fertility, visando atingir um número entre 12 e 15 óvulos.

O segundo ciclo foi extremamente desgastante, eu estava MUITO ansiosa e meu corpo não reagiu bem as induções.

Importante ressaltar que cada tratamento evolui de uma maneira a depender do corpo da mulher e como ele reage aos hormônios, cada tratamento é único.

Onde podemos obter mais informações sobre a síndrome?

O Instituto Lico Kaesemodel (@projetoeudigox), apoia pessoas com diagnóstico do X Frágil, auxilia com informações e disponibiliza ferramentas que possam auxiliar as famílias no diagnóstico e prevenção.

O site é o www.eudigox.com.br e toda doação e/ou apoio voluntário são extremamente importantes para a continuidade do projeto.

Escrevi um artigo contando toda a minha história e será publicado em coautoria, minha renda com a venda dos livro será doada para o Instituto, visando incentivar o diagnóstico da Síndrome no Brasil.

Instagram@lro.luciana@lro.gestaodeconflitos

E-mailluciana@lrogestaodeconflitos.com

LinkedInLuciana Remigio (LRO)

Mediadora judicial e privada, coach e analista comportamental, trabalho com gestão de conflitos, autoconhecimento e desenvolvimento pessoal.

Por Luciana Remigio

Acesso em: https://garotatecontotudo.com.br/2020/10/26/sindrome-do-x-fragil-e-a-infertilidade/

Deixe uma resposta

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
});